Por Letícia Costa:

Como diz Zeca Pagodinho “nunca vi, nem comi, eu só ouço falar”

Será que você e sua empresa estão preparados para esse novo modelo?

Imagina um cenário onde os chefes não existem. Nenhum tipo. Nem diretor, nem gerente… Bom, isso é a Holocracia! Um sistema de gestão onde não existe um poder centralizado. Ou seja, todas as decisões são tomadas pelo grupo de funcionários, que é responsável pela gestão da organização. 

Esse é um daqueles modelos que é super difícil de imaginar, já que nossos conceitos organizacionais são muito baseados nessa concepção de organograma e estruturas de decisão e poder. Porém, os programas de autogestão já existem  com sucesso em muitos lugares do mundo.

Quais são os benefícios desse modelo?

Basicamente os grandes ganhos estão na agilidade das decisões.

Como não existem estruturas de governança amarradas, as decisões são tomadas por quem está ali no dia-a-dia e executa as atividades. 

Aqui no Brasil, a holocracia ainda é um experimento e acaba sendo implementada como parte de sistemas híbridos de gestão, onde você atribui maior responsabilização para os colaboradores, mas ainda se mantém algumas estruturas para ajudar nessa mudança.

Independente de ser no modelo puro de Holocracia ou ainda nessa fase “brasileira de experimento”, as regras devem ser claras!

Se por um lado, esse modelo é interessante pela maior liberdade ao trabalhar, por outro devemos entender a responsabilidade que esse modelo nos traz. 

Decisões de salários, custos, despesas, investimentos, demissões, contratações… todas são tomadas em conjunto!

A hierarquia das decisões vem dos objetivos e estratégias e não de figuras no papel de líder.

Mesmo que às vezes seja difícil perceber, a falta daquele conforto de alguém tomando as rédeas da organização, responsabilidade por aquelas decisões mais difíceis que ninguém quer e também os riscos que se assume ao tomar algumas decisões.

Nesse sistema é necessário entender que todos estão ali para enfrentar os desafios como um todo. 

Ainda não podemos dizer como esse modelo na sua forma pura pode ser um caso de sucesso, mas, de uma forma combinada, já é uma realidade em muitas empresas como startups. E exige uma grande mudança na forma de pensar: atitudes de dono, responsabilização, foco no resultado… expressões já comuns que ganham maiores proporções.

“Como vou pensar em carreiras?”, “Como vou ganhar inputs para o meu desenvolvimento?”, “Como vou determinar meu horário e minha dedicação ao trabalho?”

Ah, e nesse TEDx Daniel Levy, especialista em Holocracia pela HolacracyOne, conta um pouco sobre as dolorosas escolhas que ainda precisamos fazer para atender as necessidades do chamado mundo moderno, que abusa de nós e gera desigualdades.

E aí? Sua empresa está preparada para a Holocracia

A Glaciano Resultados Humanos tem a forma certa de implementar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *